terça-feira, 8 de junho de 2010

O MENINO E O LOBO


Ilustração: Renato Moriconi



Do livro EL MONASTERIO MAGICO; Idries Shah; Edições Paidos Orientalia

Tradução: Virgínia Allan  


Sonhei que havia entabulado uma conversação com um lobo em que lhe dizia: “Os lobos, são famosos entre nós, os seres humanos, e temos muitas histórias sobre vocês.”

O lobo disse: “Que interessante! Que tipo de histórias?”

Em resposta lhe contei aquela fábula do menino que gritava: ‘O lobo! O lobo...’ 

“É curioso”, explicou o lobo, “Nós não conhecemos esta história. Em vez dessa temos outra, com esses dois como principais personagens, mas, no lugar do menino é o lobo que grita: ‘O moço! O moço’. Já deves tê-la ouvido."

“Lamento, não a ouvi.”

Em vista disso, o lobo contou-me a fábula: “Era uma vez um lobo que conheceu a um menino, que, entretanto, era um caçador de lobos. Ao compreender o quão era perigoso um humano caçador de lobos, ele logo se pôs a correr de uma matilha a outra, gritando: ‘O moço! O moço!’

Porém, como os lobos não tinham noção do que seria um moço e possuíam apenas uma vaga ideia do que seriam os caçadores, não lhe deram nenhuma atenção. E, entre nós, há quem diga, que, como os lobos são deveras tontos, os homens (e às vezes, inclusive os garotos) podem caçá-los.”

“Mas, logicamente”, disse-lhe eu, “o conhecimento que têm de uma fábula como essa lhes servirá para preveni-los acerca da existência desses perigos e assim conseguir que sejam mais cuidadosos.”

Respondeu-me o lobo: “Vejo claramente que alguns de vocês, seres humanos, não são mais inteligentes que a maioria de nós. Igualmente a muitos de nós supões ao que parece que os contos aconselham e instruem, todavia, não te dais conta de que a aprendizagem se produz, na maior parte das vezes, pelo reconhecimento ulterior ao fato e não antes dele. Ademais, os lobos (não sei como será entre os humanos) consideram sempre que as fábulas aludem, em realidade a outros, mas nunca a si mesmos.”

Esta ideia espantosa foi o que me despertou. Mas, por sorte, o lobo havia desaparecido.

Nenhum comentário:

Postar um comentário